Ausência de tempo

(em português-br) “Ausência de tempo equivale a independência diante de qualquer espécie de tempo, tal como se dá quando atuamos no campo das ciências lógicas e matemáticas. O teorema de Pitágoras era válido antes de ser por ele descoberto e continuará a sê-lo mesmo quando ninguém mais dele cogite. Temporal não é, portanto, o sentido … Continuar a ler

“Não podemos fugir ao tempo do mundo”

(em português-br) “Na concepção cíclica, o tempo se mantém absoluto. É o intransponível último. Faz-se preciso recorrer à visão linear para chegar a uma concepção que se projete para além do tempo. Essa concepção nos leva a dizer: colocamo-nos diante de nós mesmos e diante de nós se colocam todas as coisas; essa manifestação ocorre … Continuar a ler

Agosto de 2013. Personalidade do mês: Karl Jaspers.

(em português-br) “Se saíssemos da História, tombaríamos no nada. Fora de nossa existência na História, não dispomos de nenhum fio de Ariadne capaz de conduzir-nos à autenticidade. Sem História, vemo-nos privados de linguagem que nos permita indiretamente falar das origens de que brotamos e que nos sustentam. Não podemos passar para além da História, mas, … Continuar a ler

Henri Bergson: a natureza do tempo

“O Universo dura. Quanto mais aprofundarmos a natureza do tempo, melhor compreendemos que duração significa invenção, criação de formas, elaboração contínua do absolutamente novo.” Henri Bergson (1859-1941) In: Evolução Criadora

O pensamento racional

 “(…) o pensamento racional se estabelecerá num tempo de total não-vida, recusando o vital. Que a vida, por seu lado, se desenvolva e traga as suas necessidades, é, sem dúvida, uma fatalidade corporal. Mas isso não suprime a possibilidade de se retirar do tempo vivido, para encadear pensamentos numa ordem de uma nova temporalidade.” Gaston … Continuar a ler

Um processo no tempo

“A experiência é um processo no tempo, em que cada situação, ainda antes de tornar-se um objecto preciso, transmuta-se, pois cada momento subsequente se faz sempre por sobre o precedente, no qual cada momento – ainda não apreendido – se torna passado. Aparece então como lembrança, que possui a liberdade de se estender.” Wilhelm Dilthey … Continuar a ler

A temporalidade humana para Lacan

“(…) Para Lacan, a experiência da temporalidade, da temporalidade humana (passado, presente e memória), a persistência da identidade pessoal através de meses e anos – a própria sensação vivida e existencial do tempo – são também um efeito da linguagem. Porque a linguagem possui um passado e um futuro, porque a frase se instala no … Continuar a ler

Passamos o tempo a sonhar

“A ausência de tempo é uma coisa com a qual se sonha, é o que se chama eternidade, e este sonho consiste em imaginar que despertamos. Passamos o tempo a sonhar, não sonhamos apenas quando dormimos. O inconsciente é exactamente a hipótese de que não sonhamos apenas quando dormimos.” Jacques Lacan (1901-1981)

Que é que traz consigo? A transformação

  “Que é o tempo? … É o tempo uma função do espaço? Ou vice-versa? Ou são ambos idênticos? Não adianta  continuar a  perguntar. O tempo é activo, tem carácter verbal, ´traz consigo`. Que é que traz consigo? A transformação.” Thomas Mann (1875-1955) In: A Montanha Mágica

«percepção qualitativa da temporalidade…»

“Procurando as raízes, os fundamentos metodológicos de tal incompreensão catastrófica, que contribuiu para a derrota do movimento operário alemão em 1913, Benjamin ataca a ideologia do progresso em todos os seus componentes: o evolucionismo darwinista, o determinismo de tipo científico-natural, o otimismo cego – dogma da vitória “inevitável” do partido – e a convicção de … Continuar a ler

Soneto 133

 O tempo acaba o ano, o mês e a hora, a força, a arte, a manha, a fortaleza; o tempo acaba a fama e a riqueza, o tempo o mesmo tempo de si chora. O tempo busca e acaba o onde mora qualquer ingratidão, qualquer dureza; mas não pode acabar minha tristeza, enquanto não quiserdes … Continuar a ler

A verdade sincrónica e a verdade diacrónica

“A verdade sincrónica parece ser a negação da verdade diacrónica e, vendo as coisas superficialmente, parecerá a alguém que cumpre escolher entre as duas; de facto, não é necessário, uma das verdades não exclui a outra.” Ferdinand de Saussure (1857-1913)

A politização do tempo

 “(…) todas as formas de evolucionismo cultural tratam o tempo do passado como algo homogéneo e abstracto que permite a comparação de diferentes sociedades, colocando etiquetas nas sociedades de acordo com uma sequência tipológica previamente definida. Isto não é um processo neutro: é a politização do tempo.” Michael Shanks e Christopher Tilley (tradução livre a … Continuar a ler

A memória cujo movimento para adiante nos leva a agir e a viver

“Para abstrair-se da acção presente, é preciso saber dar valor ao inútil, é preciso querer sonhar. Talvez apenas o homem seja capaz de um esforço desse tipo. Também o passado a que remontamos deste modo é escorregadio, sempre a ponto de nos escapar, como se essa memória regressiva fosse contrariada pela outra memória, mais natural, … Continuar a ler

Há um grau de insónia, de ruminação, de sentido histórico…

“Quem não se instala no limiar do instante, esquecendo todos os passados, quem não é capaz de manter-se sobre um ponto como uma deusa de vitória, sem vertigem e medo, nunca saberá o que é felicidadee, pior ainda, nunca fará algo que torne outros felizes. Pensem o exemplo extremo, um homem que não possuísse a … Continuar a ler

Interlúcido – ao novo ano de 2009

 .

"Sentimento e vontade é que exigem tempo e espaço"

“O pensamento em si está fora do tempo e do espaço; é anterior a eles. Sentimento e vontade é que exigem tempo e espaço. A percepção é que está no tempo e no espaço; não o íntimo pensamento basilar na percepção. À percepção, portanto, é que estão ligados (limitados todos) sentimento e vontade.” Fernando Pessoa … Continuar a ler

O conteúdo extratemporal

“(…) o ser que em mim então gozava dessa impressão e lhe desfrutava o conteúdo extratemporal, repartido entre o dia antigo e o actual, era um ser que só surgia quando, por uma dessas identificações entre o passado e o presente, se conseguia situar no único meio onde poderia viver, gozar a essência das coisas, … Continuar a ler

El tiempo es un río que me arrebata

El tiempo es un río que me arrebata, pero yo soy el río; es un tigre que me destroza, pero yo soy el tigre; es un fuego que me consume, pero yo soy el fuego. El mundo, desgraciadamente, es real; yo, desgraciadamente, soy Borges.  Jorge Luis Borges Acevedo (1899 -1986)(Nueva refutación del tiempo).

Da tranquilidade ao caos. Do caos à ordem.

“(…) O sistema transita de trajectórias que parecem expansões tranquilas para ciclos aparentemente bem comportados   para trajectórias temporais cuja melhor descrição é caótica. Ademais, um tipo de comportamento aparecerá e desaparecerá, i.e., ordem e tranquilidade darão lugar a caos ou turbulência apenas para serem sucedidos novamente por um período em que a ordem ´reaparece`.“ (Minsky, … Continuar a ler