Uma vontade de poder

“Mesmo tendo-se compreendido bem a utilidade de um órgão fisiológico (ou de uma instituição de direito, de um costume social, de um estatuto político, de uma determinada forma das artes ou do culto religioso), nada se compreendeu acerca de sua génese (Entstehung): por mais incómodo e desagradável que isto soe aos ouvidos mais antigos ― … Continuar a ler

Há um grau de insónia, de ruminação, de sentido histórico…

“Quem não se instala no limiar do instante, esquecendo todos os passados, quem não é capaz de manter-se sobre um ponto como uma deusa de vitória, sem vertigem e medo, nunca saberá o que é felicidadee, pior ainda, nunca fará algo que torne outros felizes. Pensem o exemplo extremo, um homem que não possuísse a … Continuar a ler

Frases – História

“Precisamos da história, mas não como precisam dela os ociosos que passeiam no jardim da ciência.” Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900)

Um mundo assim

“Há apenas um mundo e ele é falso, cruel, contraditório, sedutor, sem sentido. (…) Um mundo assim é o verdadeiro mundo (…). Precisamos da mentira para triunfarmos sobre essa realidade, essa “verdade”, i.e., para viver. (…) Que a mentira seja necessária para se viver é parte desse carácter terrível e questionável da existência” Friedrich W. … Continuar a ler

Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900), filósofo alemão

Faz hoje – 15 de Outubro de 2006 – 162 anos que nasceu Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900), filósofo alemão.

uma excitação nervosa

(…) É apenas graças à sua capacidade de esquecimento que o homem pode chegar a crer que possui uma “verdade” no grau que indico. Se não se quiser contentar com a verdade na forma de tautologia, isto é, com invólucros sem conteúdo, dirigirá eternamente ilusões contra verdades. O que é uma palavra? A representação sonora … Continuar a ler

convicções

. . “As convicções são inimigas mais  perigosas da verdade do que as mentiras.”    Friedrich Nietzsche (1844-1900)

"uma espécie mais forte de homem"…

Adivinhei, com isso, em que medida uma espécie mais forte de homem teria necessariamente de pensar a elevação e intensificação do homem em direcção a um outro lado: seres superiores, para além de bem e mal, para além daqueles valores que não podem negar sua origem na esfera do sofrer, do rebanho e da maioria … Continuar a ler

um único caminho…

“Ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar para atravessar o rio da vida. Ninguém, excepto tu, só tu. Existem, por certo, atalhos sem número, e pontes, e semideuses que se oferecerão para levar-te além do rio, mas isso te custaria a tua própria pessoa: tu te hipotecarias e te perderias. Existe … Continuar a ler

"A vida quer elevar-se e superar-se a si mesma."..

(…) Com estes pregadores da igualdade é que eu não quero ser misturado nem confundido. Porque a justiça me fala assim: “Os homens não são iguais”.    Não devem tampouco chegar a sê-lo. Que seria, pois, o meu amor ao Super-homem, se eu falasse doutro modo?   Por mil pontes e por mil caminhos se … Continuar a ler

Zaratustra

Através da figura de Zaratustra, Nietzsche atingiria seu ponto alto – a plenitude de sua concepção da filosofia como pensamento, criação e caminhada. Seu livro “Assim falava Zaratustra” é tanto uma reflexão (a um só tempo sobre questões morais, políticas, existenciais, metafísicas; bem como, uma análise crítica da nossa civilização judaico-cristã e uma apresentação da … Continuar a ler

"depois de teres deixado a cidade"…

“Daquilo que sabes conhecer e medir, é preciso que te despeças, pelo menos por um tempo. Somente depois de teres deixado a cidade, verás a que altura suas torres se elevam acima das casas.” . Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900) . Nietzsche /  por Munch Prinipais obras de Friedrich Nietzsche (1844-1900) 1872  O Nascimento da Tragédia … Continuar a ler

a fé de Zaratustra…

(…) da conversa que Zaratustra teve com o cão do fogo: . (…) . “Liberdade!” é o teu grito predilecto, mas eu perdi a fé nos “grande acontecimentos” desde que em torno deles haja muitos uivos e muita fumarada. . Crê em mim, ruído do inferno! Os acontecimentos maiores não são os mais ruidosos, mas … Continuar a ler

"mais cuidadosos que Descartes"…

“Sejamos mais cuidadosos que Descartes que se manteve preso à armadilha das palavras. – (retomamos aqui a nossa reflexão sobre a linguagem) – Cogito é decididamente apenas uma palavra; mas ela significa algo múltiplo; algo é múltiplo e nós grosseiramente o deixamos escapar, na boa fé de que seja Uno.” . Friedrich Nietzsche (1844-1900) In: … Continuar a ler

"vontade da verdade"

A crítica nietzscheana do conhecimento não é uma teoria do conhecimento, mas tem como objecto denunciar as condições de possibilidade da verdade. O próprio valor que se atribui a verdade é que estará ressaltado. . Nietzsche (1844-1900) continua a fazer história da verdade, mas sob outro ponto, a do perspectivismo. Ele questiona a origem da … Continuar a ler

"a uma o mel, a outra o veneno"

“Os leitores extraem dos livros, consoante o seu carácter, a exemplo da abelha ou da aranha que, do suco das flores retiram, a uma o mel, a outra o veneno”.   . Friedrich Nietzsche (1844-1900)

assim o quis!

Eu ando entre os homens como entre os fragmentos do futuro: desse futuro que os meus olhares aprofundam. . E todos os meus pensamentos e esforços tendem a condenar e a unir numa só coisa o que é fragmento e enigma e espantoso azar. . E como havia eu de suportar ser homem, se o … Continuar a ler

"para podermos continuar alegres"

“Temos que descansar temporariamente de nós, olhando-nos de longe e de cima e, de uma distância artística, rindo sobre nós ou chorando sobre nós: temos de descobrir o herói, assim como o parvo, que reside em nossa paixão pelo conhecimento, temos de alegrar-nos vez por outra com nossa tolice, para podermos continuar alegres com nossa … Continuar a ler

Memória (I)

A existência do esquecimento jamais foi provada: apenas sabemos que algumas coisas não nos vêm à mente quando  precisamos delas.  . Friedrich Nietzsche (1844-1900) .

inocência do Sul…

No Sul – Eis-me assim neste ramo torso, A balançar o meu cansaço. Um pássaro me convidou Um ninho de pássaros me abriga. Onde estou então? Tão longe, tão longe… O branco mar adormeceu, Vela purpúrea nele se pinta. Uma rocha, figueiras, torre e porto, Idílios, grasnar de patos… Acolhe-me, ó inocência do Sul. Caminhar … Continuar a ler