Uma comunicação dos inconscientes

“A revolução genética só se deu quando se descobriu que não existe uma transmissão de fluxo propriamente dita, mas que o que há é uma comunicação de um código ou de uma axiomática, de uma combinatória que informa os fluxos. O mesmo se passa no campo social: o que a sua codificação e a sua … Continuar a ler

… processo de APERCEPÇÃO

“(…) parece que o consciente flui em torrentes para dentro de nós, vindo de fora sob a forma de percepções sensoriais. Nós vemos, ouvimos, apalpamos e cheiramos o mundo, e assim temos consciência do mundo. Estas percepções sensoriais nos dizem que algo existe fora de nós, mas elas não dizem o que isso seja em … Continuar a ler

A mente humana não nasce tabula rasa

“(…) existem várias coisas na psique humana que não são aquisições individuais, pois a mente humana não nasce tabula rasa, nem sequer cada ser humano é dotado de um cérebro novo e único. Ele nasce dotado de um cérebro que é o resultado do desenvolvimento de incontáveis elos ancestrais. Esse cérebro é produzido em cada … Continuar a ler

Uma simples máscara

A “personalidade” (…) “como o seu nome revela, é uma simples máscara da psique colectiva, máscara que aparenta uma individualidade, procurando convencer os outros e a si mesma que é uma individualidade, quando, na realidade, não passa de um papel, no qual fala a psique colectiva (…) representa um compromisso entre o indivíduo e a … Continuar a ler

Simplesmente carbono

“Quanto mais profundas forem as ‘camadas’ da psique, mais perdem a sua originalidade individual. Quanto mais profundas, mais se aproximam dos sistemas funcionais autónomos, mais colectivas se tornam, e acabam por se universalizar e extinguir na materialidade do corpo, isto é, nos corpos químicos. O carbono do corpo humano é simplesmente carbono; no mais profundo … Continuar a ler

Todas as possibilidades do viver

“…a imaginação, a fantasia (presente nos Mitos e na Literatura) é acima de tudo a actividade criativa na qual podemos encontrar as respostas para todas as perguntas que podem ser respondidas: ela constitui a origem de todas as possibilidades do viver.” Carl G. Jung (1875-1961)                                                                                        Jung

Frases

. Aquilo que na vida tem sentido, mesmo sendo qualquer coisa de mínimo, prima sobre algo de grande, porém isento de sentido. . Carl Gustav Jung (1875-1961) .

continuum vivente

“Enquanto o não-ego (inconsciente) parece ser oposto a nós, naturalmente sentimo-lo como um oposto, mas depois entenderemos que o inconsciente colectivo é como um vasto oceano, com o ego flutuando sobre ele como um pequeno barco. Então, quando vemos isto, surge a questão se estamos contidos no Oceano.[…] os peixes são unidades vivas no oceano; … Continuar a ler

uma consciência mais ampla

“[…] a nossa consciência não exprime a totalidade da natureza humana; é e permanece apenas uma parcela da mesma […] mencionei a possibilidade de que a consciência de nosso eu não é necessariamente a única forma de consciência de nosso sistema, mas talvez esteja subordinada inconscientemente a uma consciência mais ampla.” Carl G. Jung (1875-1961)

uma possível relatividade…

“O professor Einstein foi meu convidado em várias ocasiões para jantar… aquele era um período inicial onde Einstein estava a desenvolver a sua primeira teoria da relatividade, …[e] foi ele quem me fez começar a pensar sobre uma possível relatividade do tempo assim como do espaço e sua condicionalidade psíquica. Mais de trinta anos depois … Continuar a ler

onde o universal se unifica…

   «O sonho é uma porta estreita dissimulada nos recantos mais obscuros e mais íntimos da psique, aberta sobre essa noite original cósmica que já era psiquismo, muito antes da existência da consciência do eu e o estende muito para além do que a consciência individual jamais terá atingido. . Pois a consciência do eu … Continuar a ler

O Self Para Carl Jung

O Self é um factor interno de orientação, muito diferente e até mesmo estranho ao Ego e à consciência. Para Carl Jung (1875-1961), o Self não é apenas o centro, mas também toda a circunferência que abarca tanto o consciente quanto o inconsciente, ele é o centro desta totalidade, tal como o Ego é o … Continuar a ler

camada mais profunda

sincronicidade . “(…) a camada mais profunda do inconsciente colectivo é denominada por Jung de Psicóide. Esta camada relaciona-se com os acontecimentos que ultrapassam as explicações cientificamente objectivas sobre as relações causais entre fenómenos psíquicos e físicos. Tais fenómenos possuem uma ligação causa-efeito que desafiam as explicações da física clássica sobre a relação entre a … Continuar a ler

Por isso, devemos saber quem somos…

“O inconsciente colectivo é tudo, menos um sistema pessoal encapsulado, é objectividade ampla como o mundo e aberta ao mundo. Eu sou o objecto de todos os sujeitos, numa total inversão de minha consciência habitual, em que sempre sou o sujeito que tem objectos. Lá eu estou na mais directa ligação com o mundo, de … Continuar a ler

"traços da mente arcaica"…

“ (…) Um arquétipo é um agrupamento definido, de carácter arcaico, cuja forma e significado retomam temas mitológicos. Assim como o nosso corpo, nossa mente tem sua história. (…) Nossa mente inconsciente, assim como nosso corpo, é um depósito de relíquias e lembranças do passado. (…) O cérebro nasce com uma estrutura definida e funciona … Continuar a ler

individuação / colectivo

“É importante para a meta da individuação, isto é, da realização de si-mesmo, que o indivíduo aprenda a distinguir entre o que parece ser para si mesmo e o que é para os outros. É igualmente necessário que consciencialize o seu invisível sistema de relações com o inconsciente… a fim de poder diferenciar-se…” Carl Gustav … Continuar a ler

"uma dimensão desconhecida e inesperada"…

Quando Lao-Tse diz: ‘Todos os seres são claros, só eu sou turvo’, exprime o que sinto em minha idade avançada. Lao-Tse é o exemplo do homem de sabedoria superior que viu e fez a experiência do valor e do não-valor, e que no fim da vida deseja voltar a seu próprio ser, no sentido eterno … Continuar a ler

"eu" inconsciente…

“A consciência é como uma superfície ou película cobrindo a vasta área inconsciente, cuja extensão é desconhecida. Ignoramos a extensão do domínio inconsciente pela simples razão de desconhecermos tudo a seu respeito. Não se pode dizer coisa alguma a respeito daquilo sobre o qual nada se sabe… Quando dizemos “inconsciente” o que queremos sugerir é … Continuar a ler

Carl Jung / Wolfgang Pauli

“Unus mundus”: trad. à letra um mundo. “Sincroncidade”: coincidências significativas.   Para Jung Carl Jung (1875-1961) o encontro com Wolfgang Pauli (1900-1958), trouxe à tona certos aspectos da natureza da realidade que o levaram à posterior expansão do conceito de arquétipo e que deram ao conceito de “sincronicidade” e suas aplicações posteriores um melhor enquadramento … Continuar a ler

Jung e Leibniz

(..) Mas o autor que Jung mais cita é Gottfried Wilhelm Leibniz. Leibniz explica a realidade através de quatro princípios: espaço, tempo, causalidade e correspondência (harmonia praestabilita). Este último é um princípio acausal de sincronismo dos acontecimentos psíquicos e físicos. Jung discorda de Leibniz em apenas um ponto: para Leibniz este é um factor constante, … Continuar a ler