A ideia de infinito

“O facto de, na matemática, existir uma noção aperfeiçoada de infinito não implica, necessariamente, que isso corresponda a algo de existente. Considerar que assim é seria transpor para as relações entre a física e matemática o argumento de Descartes que apresentava como prova da existência de Deus o facto de existir em nós a ideia … Continuar a ler

Em 1596, há 409 anos!…

aniversário – René Descartes

bom senso

INEXISTE NO MUNDO coisa mais bem distribuída que o bom senso, visto que cada indivíduo acredita ser tão bem provido dele que mesmo os mais difíceis de satisfazer em qualquer outro aspecto não costumam desejar possui-lo mais do que já possuem. E é improvável que todos se enganem a esse respeito; mas isso é antes … Continuar a ler

invenções tão subtis

          “A Matemática apresenta invenções tão subtis que poderá servir não só para satisfazer os mais curiosos como, também para auxiliar as artes e poupar trabalho aos homens” . Descartes, René du Perron (1596-1650) . . . .

estrangeiro

Aquele que emprega demasiado tempo a viajar, acaba       por se tornar estrangeiro no seu próprio país… René Descartes (1596-1650)

"… todos me serão gratos por minha franqueza.”

A simplicidade exemplar de Descartes: (…) “Portanto, meu propósito não é ensinar aqui o método que cada qual deve seguir para bem conduzir sua razão, mas somente mostrar de que modo me esforcei por conduzir a minha. Os que se aventuram a fornecer normas devem considerar-se mais hábeis do que aqueles a quem as dão; … Continuar a ler

linguagem da geometria

René Descartes (1596-1650)  A Geometria Analítica imortalizou o seu nome. O nome “Descartes” em latim diz-se “Cartesius” e daí que derivou a designação “Cartesiano”. A Geometria Analítica resultou da ligação entre a Geometria e a Análise; estes dois ramos ficaram relacionados graças a Descartes que definiu a posição de cada ponto por meio de uma … Continuar a ler

tudo o que ocorre em nós

Pensar…existir… “Com o nome de pensamento entendo tudo o que ocorre em nós estando conscientes… De maneira que não só compreender, querer imaginar, senão também sentir significam aqui o mesmo que pensar”  (Descartes, Princípios, I, 9).

Os talentos de Descartes…

No folclore e mitologia grega, o arco-íris aparecia sempre que Íris – uma deusa com asas e mantos brilhantes – era portadora das mensagens divinas de Zeus aos humanos, deixando no céu, à sua passagem, um rasto multicolor! Na realidade, os arco-íris aparecem quando o sol espreita no meio das nuvens, durante ou imediatamente após … Continuar a ler

Dúvida metódica

Dúvida metódica  . “É o meio de se passar de uma verdade de ordem espontânea para uma verdade de ordem reflexa, de uma verdade natural, para uma verdade científica” R. Descartes (1596-1650) 

a glândula pineal !…

(…) Dualismo substancial – DESCARTES – Desenvolve as ideias de Platão e propõe uma mente (res cogitans) e um corpo (res extensa) como coisas separadas. Observa que essas duas realidades têm propriedades distintas, daí não se poderem confundir. A res extensa tem existência no espaço, é infinitamente divisível e acessível a qualquer um; a res … Continuar a ler

álgebra e geometria

1637 – Surge a geometria analítica, desenvolvida pelo filósofo, físico e matemático francês René Descartes (1596-1650). A nova disciplina é uma espécie de mistura entre a álgebra e a geometria, pois Descartes ensina a transformar pontos, rectas e circunferências em números. Depois mostra como “fazer contas” com as figuras geométricas. Na geometria analítica, um ponto … Continuar a ler

racionalismo

(…) FILOSOFIA MODERNA – A desintegração das estruturas feudais, as grandes descobertas da ciência e a ascensão da burguesia assinalam a emergência do Renascimento.   Em contraste à filosofia medieval, dogmática e submissa à Igreja, a filosofia moderna é profana e crítica. Representada por leigos que procuram pensar de acordo com as leis da razão … Continuar a ler

Obras de Descartes

Obras de Descartes o       Compendium musicæ (1618); o       Studium bonæ mentis, perdido (1620-25); o       Regulæ ad directionem ingenii, incompleta e publicada postumamente (1627-28); o       De la divinité, perdido (1628-29); o       Monde, não publicado (1632-33); o       Discours de la Méthode pour bien conduire sa raison et chercher la vérité dans les sciences. Plus la Dioptrique, les … Continuar a ler

numária

Conceitos inatos em Descartes

já estavam dentro de mim… .  “(…) … parece-me que nada é mais urgente do que emergir das dúvidas em que caí nos dias precedentes e ver se posso conhecer algo de certo sobre as coisas materiais.   E, na verdade, antes de inquirir se tais coisas existem for a de mim, devo considerar as … Continuar a ler

posicionamento exacto: os eixos cartesianos

os eixos cartesianos

Eu sou, eu existo

Cogito « […]  persuadi-me que não havia  absolutamente nada  no mundo,  nenhum céu,  nenhuma  terra, nenhuns espíritos, nenhuns corpos. Não me persuadi também de que eu próprio não existia? Pelo contrário, eu existia com certeza se me persuadi de alguma coisa. Mas há um enganador, não sei qual, sumamente poderoso, sumamente astuto, que me engana sempre … Continuar a ler

repouso e tranquilidade

“Eu desejo somente repouso e tranquilidade para pensar em meus pensamentos”                                                               Descartes, René du Perron (1596-1650)

O Método

     (…) considerei ser necessário buscar algum outro método (…). E, como a grande quantidade de leis fornece com frequência justificativas aos vícios, de forma que um Estado é mais bem dirigido quando, apesar de possuir muito poucas delas, são estritamente cumpridas; portanto, em lugar desse grande número de preceitos de que se compõe a … Continuar a ler