Comunicação existencial para Karl Jaspers

(em português-br) “Na comunicação cada um, manifestando-se aos outros, revela-se a si próprio, pois que esta revelação não se realiza totalmente em uma existência isolada, mas só em conjunto com outros. Uma comunicação autêntica exige uma pergunta e um responder sem fim – uma verdadeira luta em comum para a conquista do ser. Na comunicação … Continuar a ler

“Só na acção sobre si mesmo e sobre o mundo”…

(em português-br) “Para transcender-se, não basta ao homem a sensação ou o gozo de imagens mitológicas, nem o sonho, nem o uso de palavras sublimes, como se nelas a realidade estivesse inclusa. Só na ação sobre si mesmo e sobre o mundo, em suas realizações, é que ele adquire consciência de ser ele próprio, é … Continuar a ler

A unidade da consciência

(em português-br) “A unidade da consciência, como conhecemos com evidência a partir do que percebemos internamente, consiste no fato de que todos os fenômenos psíquicos que simultaneamente se encontram em nós, sejam eles tão distintos, como o ver e o ouvir, representar, julgar e concluir [Schließen], amar e odiar, desejar e repelir e etc., pertencem … Continuar a ler

O acto de consciência. Sujeito e objecto.

(em português-br) “Assim, a peculiaridade que, acima de tudo, é característica geral da consciência, é aquela que ela mostra sempre e em todo lugar, ou seja, em cada uma de suas partes, certo tipo de relação, relacionando um sujeito a um objeto. Esta relação também é referida como relação intencional. A toda consciência pertence essencialmente uma … Continuar a ler

Causalidade

Sutra da causalidade (Ilustração do século VIII – Japão)

“A libido como energia sexual é directamente investimento de massas, de grandes conjuntos e de campos orgânicos e sociais”

«O cinismo disse, ou pretendeu dizer, tudo sobre o amor: ou seja, que se trata de uma copulação de máquinas orgânicas e sociais em grande escala (no fundo do amor, os órgãos, as determinações económicas, o dinheiro). Mas o que é típico do cinismo é pretender fazer um escândalo de algo que não é escandaloso, … Continuar a ler

Uma comunicação dos inconscientes

“A revolução genética só se deu quando se descobriu que não existe uma transmissão de fluxo propriamente dita, mas que o que há é uma comunicação de um código ou de uma axiomática, de uma combinatória que informa os fluxos. O mesmo se passa no campo social: o que a sua codificação e a sua … Continuar a ler

“O sujeito não é evidente: não basta pensar para ser”

(em português-br) «O sujeito não é evidente: não basta pensar para ser, como o proclamava Descartes, já que inúmeras outras maneiras de existir se instauram fora da consciência, ao passo que o sujeito advém no momento em que o pensamento se obstina em apreender a si mesmo e se põe a girar como um pião … Continuar a ler

Um organismo social unitário técnico-moral

(em português-br) «A concepção de Hegel é própria de um período em que o desenvolvimento extensivo da burguesia podia parecer ilimitado e, portanto, a eticidade ou universalidade desta classe podia ser afirmada: todo o gênero humano será burguês. Mas, na realidade, só o grupo social que propõe o fim do Estado e de si mesmo … Continuar a ler

A política está sempre atrasada em relação à economia

(em português-br) «Nos países de capitalismo avançado, a classe dominante possui reservas políticas e organizativas que não possuía, por exemplo, na Rússia. Isto significa que também as crises econômicas gravíssimas não têm imediata repercussão no campo político. A política está sempre atrasada e bastante atrasada em relação à economia. O aparelho de Estado é muito … Continuar a ler

A passagem do momento puramente económico (ou egoísta-passional) ao momento ético-político,

(em português-br) «Pode-se empregar a expressão “catarsis” para indicar a passagem do momento puramente económico (ou egoísta-passional) ao momento ético-político, isto é, a elaboração superior da estrutura em superestrutura na consciência dos homens. Isto significa também , a passagem do “objectivo ao subjectivo” e da “necessidade à liberdade”. A estrutura da força exterior que subjuga … Continuar a ler

Critérios objetivos para formar as ferramentas de cognição, os conceitos.

(em português-br) “A objetividade começa com a percepção (realization) de que o homem (incluindo todos os seus atributos e faculdades, mesmo sua consciência) é uma entidade de uma natureza específica e que precisa agir conformemente; que não há forma de escapar da lei de identidade, nem no universo com o qual ele lida nem nas … Continuar a ler

Os danos da subjectividade prevalecente…

“Aceitar a subjectividade tal como hoje existe, ou melhor, como hoje não existe, é aceitar implicitamente a ordem social que a mutila. O caso, porém, não é apenas de rejeitar a subjectividade em nome da ciência ou de a afirmar em nome da poesia; e sim de a investigar a sério. Essa seriedade implica necessariamente que … Continuar a ler

As concepções, o que diferencia e caracteriza o homem.

(em português-br) “A consciência do homem compartilha com os animais os dois primeiros estágios de seu desenvolvimento [cognitivo]: sensações e percepções; mas é o terceiro estágio, concepções, que diferencia e caracteriza o homem. Sensações são integradas em percepções automaticamente, pelo cérebro do homem e do animal. Mas integrar percepções em concepções, por um processo de … Continuar a ler

O que é a ética objectivista?

(em português-br) “Para a ética Objetivista o critério de valor é a vida humana e o propósito ético de cada indivíduo é sua própria vida. Os três valores fundamentais da ética Objetivista são: Razão, Propósito e Auto-Estima, com suas três virtudes correspondentes: Racionalidade, Produtividade e Orgulho. Racionalidade é o reconhecimento de que só a razão … Continuar a ler

Antonio Damasio: The quest to understand consciousness

Antonio Damasio: entender a consciência TED

… processo de APERCEPÇÃO

“(…) parece que o consciente flui em torrentes para dentro de nós, vindo de fora sob a forma de percepções sensoriais. Nós vemos, ouvimos, apalpamos e cheiramos o mundo, e assim temos consciência do mundo. Estas percepções sensoriais nos dizem que algo existe fora de nós, mas elas não dizem o que isso seja em … Continuar a ler

O conceito de sinal (semiótica)

“Como sinal de uma coisa (de um conteúdo em geral) pode servir tudo aquilo que a distingue, que é adequada a diferenciá-la de outras, e pelo qual somos capazes de a reconhecer de novo. Não consideramos, todavia, esse reconhecimento como um mecanismo psicológico, que funciona sem que dêmos conta disso; que devido a uma representação … Continuar a ler

O alimento da consciência individual

“A consciência não pode derivar directamente da natureza, como tentaram e ainda tentam mostrar o materialismo mecanicista ingénuo e a psicologia contemporânea (sob suas diferentes formas: biológica, behaviorista etc.). (…) A consciência adquire forma e existência nos signos criados por um grupo organizado no curso de suas relações sociais. Os signos são o alimento da … Continuar a ler

Rebeldes aos vínculos e às comunidades

“(…) estranhamente, o estrangeiro habita em nós: ele é a face oculta da nossa identidade, o espaço que arruína a nossa morada, o tempo em que se afundam o entendimento e a simpatia. Por reconhecê-lo em nós, poupamo-nos de ter que detestá-lo em si mesmo. Sintoma que torna o ‘nós’ precisamente problemático, talvez impossível, o … Continuar a ler