Henri Bergson: a natureza do tempo

“O Universo dura. Quanto mais aprofundarmos a natureza do tempo, melhor compreendemos que duração significa invenção, criação de formas, elaboração contínua do absolutamente novo.” Henri Bergson (1859-1941) In: Evolução Criadora

A memória cujo movimento para adiante nos leva a agir e a viver

“Para abstrair-se da acção presente, é preciso saber dar valor ao inútil, é preciso querer sonhar. Talvez apenas o homem seja capaz de um esforço desse tipo. Também o passado a que remontamos deste modo é escorregadio, sempre a ponto de nos escapar, como se essa memória regressiva fosse contrariada pela outra memória, mais natural, … Continuar a ler

"uma espécie de consciência"

“o próprio universo material, definido como a totalidade das imagens, é uma espécie de consciência, uma consciência em que tudo se compensa e se neutraliza, uma consciência em que todas as partes eventuais, equilibrando-se umas às outras através de reacções sempre iguais às acções, impedem-se mutuamente de se destacarem.”   Matéria e Memória Henri Louis … Continuar a ler

Henri Bergson e Evolução Criadora

“A vida como um todo não é nenhuma abstracção. Em determinado momento surgiu em certos lugares do espaço uma corrente vital que, através dos organismos desenvolvidos, vai passando de um germe a outro. A corrente vital procura vencer os obstáculos que a matéria lhe opõe; a materialidade de um organismo representa a totalidade dos obstáculos … Continuar a ler

memória (IV)

“a memória pode perder amplitude; pode não abraçar mais que uma pequena parte do passado; pode reter apenas o que acaba de chegar; mas a memória está lá, senão a consciência não estará. Uma consciência que não conservaria nada de seu passado, que se esqueceria sem cessar dela mesma, pereceria e renasceria a cada instante: … Continuar a ler

"Esse pretenso tempo homogéneo"

“Esse pretenso tempo homogéneo, (…) é um ídolo da linguagem, uma ficção cuja origem é fácil de encontrar. Em realidade, não há um ritmo único da duração; é possível imaginar muitos ritmos diferentes, os quais, mais lentos ou mais rápidos, mediriam o grau de tensão ou de relaxamento das consciências, e deste modo fixariam seus … Continuar a ler

"O riso"

“Não há comicidade fora do que é propriamente humano. Uma paisagem poderá ser bela, graciosa, sublime, insignificante ou feia, porém jamais risível. Riremos de um animal, mas porque teremos surpreendido nele uma atitude de homem ou certa expressão humana. Riremos de um chapéu, mas no caso o cómico não será um pedaço de feltro ou … Continuar a ler

Henri Bergson: o filósofo da intuição.

“Só podemos conhecer a duração graças à intuição; mas com ela conhecemo-la directamente e como algo íntimo. A intuição distingue-se por características que se contrapõem às características da inteligência. Órgão do homo sapiens, a intuição não está ao serviço da prática; seu objecto é o fluente, o orgânico, o que está em marcha; só ela … Continuar a ler

lembranças-imagens

“a leitura corrente é um verdadeiro trabalho de adivinhação, nosso espírito colhendo aqui e ali alguns traços característicos e preenchendo todo o intervalo com lembranças-imagens que, projectadas sobre o papel, substituem-se aos caracteres realmente impressos e nos dão a sua ilusão. Assim, criamos ou reconstruímos a todo instante. Nossa percepção distinta é verdadeiramente comparável a … Continuar a ler

Frases

“O presente só se forma do passado, e o que se encontra  no  efeito estava já na causa.”   Henri Louis Bergson (1859-1941)

"uma acuidade dialéctica sem par"

Henri Bergson (1859-1941). Matéria e Memória. A actividade especulativa de Henri Bergson (1859-1941) exerceu-se, sobretudo, em quatro obras que mostram claramente sua evolução espiritual. O Essai sur les données immédiates de Ia conscience (1889) contém a sua teoria do conhecimento; Matière et Mémoire (1896) sua psicologia, L’Évolution créatrice (1907) sua metafísica fundada na biologia especulativa, … Continuar a ler

"o inapreensível avanço do passado a roer o futuro"

“Na fracção de segundo que dura a mais breve percepção possível de luz, triliões de vibrações tiveram lugar, sendo que a primeira está separada da última por um intervalo enormemente dividido. A sua percepção, por mais instantânea, consiste portanto numa incalculável quantidade de elementos rememorados, e, para falar a verdade, toda percepção é já memória. … Continuar a ler

Percepção

“Nossa percepção pura, com efeito, por mais rápida que a suponhamos, ocupa uma certa espessura de duração, de sorte que nossas percepções sucessivas não são jamais momentos reais das coisas, como as supusemos até aqui, mas momentos de nossa consciência. O papel teórico da consciência na percepção exterior, dizíamos nós, seria o de ligar entre … Continuar a ler

A inteligência…

“A inteligência caracteriza-se por uma incompreensão natural da vida.” Henri Louis Bergson (1859-1941)

"continuidade irremediável da transição"

“A filosofia de Henri Bergson (1859-1941) encontra seu eixo de fundamentação na tese que postula a duração como substância temporal e como dado imediato da consciência. A realidade ultrapassa os estados simples, estanques, e justapostos que, para nós, perfazem o processo de mudança. Ela é intrinsecamente constituída pelo fluxo e pela continuidade irremediável da transição. … Continuar a ler

Memória III

“A memória, praticamente inseparável da percepção, intercala o passado no presente, condensa também, numa intuição única, momentos múltiplos da duração, e assim, por sua dupla operação, faz com que de facto percebamos a matéria em nós, enquanto de direito a percebemos nela.”     Henri Bergson (1859-1941). In: Matéria e Memória. ______________________________________________________ . Durante o … Continuar a ler