Formas para o Nada…

“Faces inumeráveis do Absoluto autógeno, em progresso e entanto imóvel, em quedas e subidas alternadas no fabrico chocamo-nos do fruto   . (perfeito desde os amanhãs e outroras) da semente do Tempo germinada. Até que a alma feliz, esplenda o vôo do cansaço das Formas para o Nada.” * . Anderson Braga Horta (n. 1934), Minas … Continuar a ler