Pretensões à universalidade

(em português-br)

““Para Descartes e para Kant, a universalidade significava racionalidade, mas seu critério era, para um, a evidência das intuições, para o outro, a necessidade das proposições. Nós rejeitamos esses dois critérios e, aliás, não acreditamos que uma posição filosófica possa jamais realizar efetivamente a unanimidade das mentes, nem no presente, nem, a fortiori, na eternidade do tempo. Mas aquilo que podemos exigir de uma argumentação racional, é que ela tenha pretensões à universalidade.”

Chaïm Perelman (1912-1984) 

Anúncios

Deixar um apontamento

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: