o fracasso dos movimentos políticos modernos

“Aquilo que o Maio de 68 e outros movimentos dos anos 60 mostraram foi a persistência e o poder do projecto de autonomia que se traduzia na recusa do universo capitalista-burocrárico e, simultaneamente, pelas novas ideias e práticas que esses movimentos inventaram ou difundiram. Porém, também foram testemunhas dessa dimensão de fracasso até agora aparentemente … Continuar a ler

A organização das coisas

“(…) a terrível guilhotina de 1793 que não pode ser acusada nem de preguiça, nem de lentidão, não chegou a destruir a classe nobre na França. (…) Em geral pode-se dizer que as carnificinas políticas nunca mataram os partidos; mostraram-se sobretudo impotentes contra as classes privilegiadas, porque a força reside menos nos homens do que … Continuar a ler

Um processo no tempo

“A experiência é um processo no tempo, em que cada situação, ainda antes de tornar-se um objecto preciso, transmuta-se, pois cada momento subsequente se faz sempre por sobre o precedente, no qual cada momento – ainda não apreendido – se torna passado. Aparece então como lembrança, que possui a liberdade de se estender.” Wilhelm Dilthey … Continuar a ler

A ciência da história

“A verdadeira ciência da história ainda não existe; quando muito começa-se a entrever, hoje (…) Mas suponhamo-la definitivamente feita, o que nos poderá ela dar? Ela restabelecerá o quadro fiel e reflectido do desenvolvimento natural das condições gerais, materiais e ideais, económicas, políticas e sociais, religiosas, filosóficas, estéticas e científicas das sociedades que tiveram uma … Continuar a ler

Bakunin por Bakunin / Cartas (excerto)

(em português-br) “Mas, desde o outono de 1868, os chefes, os propagadores e os agitadores, em grande parte judeus, do Partido da democracia socialista, que tinha acabado de se formar, sempre sob a inspiração de Marx, no norte da Alemanha, começaram a conquistar para seu lado os judeus da Austria, e juntos puseram-se a magnetizar, … Continuar a ler

A "burocracia vermelha"

“Os alertas de Bakunin sobre a ‘burocracia vermelha’, que instituiria ‘o pior de todos os governos despóticos’, foram feitos muito antes de Lenin, e eram dirigidos aos seguidores do Sr. Marx. Houve, de facto, seguidores de diversos tipos. Pannekoek, Luxembourg, Mattick e outros estão muito longe de Lenin, e seus pontos de vista muitas vezes … Continuar a ler

Além da própria justiça…

«“(…) Em economia, “dar a cada um segundo seu trabalho” seria justiça, “dar a cada um segundo suas necessidades” seria mais do que justiça. Penso que no espírito humano existem dois sentimentos contrapostos: o sentimento de simpatia, de amor para os semelhantes, que é sempre factor de bem, e sentimento de justiça, que é causa … Continuar a ler

A infinita limitação de todas as liberdades particulares

“Segundo os democratas jacobinos, o Estado tem por tarefa tornar possível o triunfo dos interesses gerais e colectivos de todos os cidadãos sobre os interesses egoístas e divergentes dos indivíduos, das comunas e das regiões. O Estado é a justiça universal e a razão colectiva que se exercem sobre o egoísmo e a estupidez dos … Continuar a ler

Anti-globalização, um movimento anarquista…

“É a recusa das políticas hierárquicas e centralizadoras, essa abertura a uma pluralidade de diferentes identidades e lutas, que faz do movimento anti-globalização um movimento anarquista. Ele não se torna anarquista apenas porque grupos anarquistas são proeminentes no movimento, mas principalmente porque, mesmo não sendo conscientemente anarquista, incorpora formas anárquicas de política na sua estrutura … Continuar a ler

O Estado e a lei familiar na base da organização social

«Não há diferença fundamental entre o partido radical dos republicanos e o partido doutrinário moderado dos liberais constitucionais, todos têm a mesma origem e não diferem em seu “temperamento”. Ambos colocam na base da organização social o Estado e a lei familiar, com a lei da “herança” e da propriedade privada que daí resulta, isto … Continuar a ler

Moscovo 1850

A Pátria para Mikhail Bakunin

“A Pátria representa o direito incontestável e sagrado de todos os homens, de todo o grupo humano, associações, comunas, regiões, nações, etc., de sentir, pensar, de querer e de agir à sua maneira e esta maneira é, sempre, o resultado incontestável de um longo desenvolvimento histórico. Inclinamo-nos, assim, perante a tradição e perante a história, … Continuar a ler

Perderemos toda a iniciativa

“Nós somos tão pervertidos pela educação, a qual procura desde a infância matar em nós o espírito de revolta, e desenvolver o de submissão à autoridade; nós somos tão pervertidos por esta existência debaixo do ferrolho da lei, que regula todos os acontecimentos da vida – nascimento, educação, desenvolvimento, amor, amizade – que se este … Continuar a ler

A propriedade nas mãos do Estado

“Não sou comunista, porque o comunismo concentra e engole, em benefício do Estado, todas as forças da sociedade; porque conduz inevitavelmente à concentração da propriedade nas mãos do Estado, enquanto eu proponho a abolição do Estado, a extinção definitiva mesmo do princípio da autoridade e tutela, próprios do Estado, o qual, com o pretexto de … Continuar a ler

O sistema representativo ("A ilusão do sufrágio universal")

“(…) É verdade que, em dia de eleições, mesmo a burguesia mais orgulhosa, se tiver ambição política, deve curvar-se diante de sua Majestade a Soberania Popular. Mas, terminada a eleição, o povo volta ao trabalho e a burguesia aos seus lucrativos negócios e às intrigas políticas. Não se encontram e não se reconhecem mais. Como … Continuar a ler

"Nem monarquia, nem aristocracia, nem mesmo democracia"

“Nem monarquia, nem aristocracia, nem mesmo democracia, no âmbito que implique qualquer governo, mesmo agindo em nome do povo e atendendo ao povo. Nenhuma autoridade, nenhum governo, nem mesmo popular, essa é a Revolução. Legislação directa, governo directo, governo simplificado, são mentiras clássicas, que eles em vão tentam rejuvenescer. Directo ou indirecto, simples ou complexo, … Continuar a ler

Auto-organização

  “Porquê pensar que pessoas comuns não são capazes de auto-organizar as suas vidas, e que governantes o farão não em proveito próprio, mas em proveito dos outros?” Lev Nikoláievich Tolstói (1828-1910)

"Abolição do Estado pela organização da força espontânea do povo"

“Encaramos o Estado, na sua actual fase de evolução, como um produto esclerosado e inorgânico do processo vital dos povos e como uma engrenagem à parte do seu organismo vivo. A força do Estado, sendo hoje uma força pura e exclusivamente mecânica, directamente antipopular, cujos únicos pilares são a polícia e o exército (…) faremos … Continuar a ler

A autoridade absoluta da ciência

“Reconhecemos, pois, a autoridade absoluta da ciência porque ela tem como objecto único a reprodução mental, reflectida e tão sistemática quanto possível, das leis naturais inerentes à vida material, intelectual e moral, tanto do mundo físico quanto do mundo social, sendo estes dois mundos, na realidade, um único e mesmo mundo natural. Fora desta autoridade … Continuar a ler

1848, intranquilidade revolucionária das massas

(…) [a] situação dos trabalhadores pobres, e especialmente do proletariado industrial que formava seu núcleo, era tal que a rebelião era não somente possível, mas virtualmente compulsória. Nada mais inevitável na primeira metade do século XIX do que o aparecimento dos movimentos trabalhista e socialista, assim como a intranquilidade revolucionária das massas. A revolução de … Continuar a ler