Uma memória mais ampla que desapareceu

“Que me importa que os outros ainda estejam dominados por um sentimento que eu experimentava com eles outrora e que já não experimento hoje?  Já não posso despertá-lo em mim porque há muito tempo que não há mais nada em comum entre mim e os meus antigos companheiros. Não é culpa nem da minha memória … Continuar a ler

"A linguagem não é nenhum instrumento, nenhuma ferramenta…"

“(…) A linguagem não é um dos meios pelos quais a consciência comunica com o mundo. Não representa um terceiro instrumento, ao lado do signo e da ferramenta – embora esses façam certamente parte da caracterização essencial do homem. A linguagem não é nenhum instrumento, nenhuma ferramenta. Pois uma das características essenciais do instrumento é … Continuar a ler

A universalidade da lei

“Uma vez que a universalidade da lei, segundo a qual certos efeitos se produzem, constitui aquilo que se chama propriamente natureza no sentido mais lato da palavra (quanto à forma), quer dizer a realidade das coisas enquanto é determinada por leis universais, o imperativo universal do dever poderia também exprimir- se assim: Age como se … Continuar a ler

Frutos da Primavera

Frutos da Primavera

Controlo da subjectivização

“O que caracteriza os modos de produção capitalistas é que eles não funcionam unicamente no registo dos valores de troca, valores que são da ordem do capital, das semióticas monetárias ou dos modos de financiamento. Eles funcionam também através de um modo de controlo da subjectivização, que eu chamaria de ´cultura de equivalência` ou de … Continuar a ler

O caminho estreito entre o acaso puro e o determinismo

“(…) Podemos porém compreender que Einstein tenha recusado aceitar que o acaso possa ser a única resposta às nossas perguntas. O acaso puro é tanto uma negação da realidade e da nossa exigência de compreender o mundo quanto o determinismo o é. O que procuramos construir é um caminho estreito entre essas duas concepções que … Continuar a ler

A garantia da realidade

“(…) a presença de outros que vêm o que vemos e ouvem o que ouvimos garante-nos a realidade do mundo e de nós mesmos; e, embora a intimidade de uma vida privada plenamente desenvolvida, tal como jamais se conheceu antes do surgimento da era moderna e do concomitante declínio da esfera pública, intensifica e enriquece … Continuar a ler

História e memória

 (…) a oposição presente/passado não é um dado natural mas sim uma construção. Por outro lado, a constatação de que a visão de um mesmo passado muda segundo as épocas e que o historiador está submetido ao tempoem que vive, conduziu tanto ao cepticismo sobre a possibilidade de conhecer o passado como a um esforço … Continuar a ler

O historiador / Carlos Drummond de Andrade

A politização do tempo

 “(…) todas as formas de evolucionismo cultural tratam o tempo do passado como algo homogéneo e abstracto que permite a comparação de diferentes sociedades, colocando etiquetas nas sociedades de acordo com uma sequência tipológica previamente definida. Isto não é um processo neutro: é a politização do tempo.” Michael Shanks e Christopher Tilley (tradução livre a … Continuar a ler

Conflitos num sistema político competitivo

“(…) Há, pois, conflitos com que um sistema político competitivo não consegue lidar facilmente e talvez não  possa mesmo lidar. Qualquer disputa em que uma grande parcela da população de um  país sinta que o seu modo de vida ou seus principais valores estão seriamente ameaçados por um outro segmento da população provoca uma crise … Continuar a ler

Crianças Sudanesas

 .                                                           Crianças Sudanesas no Darfur                           In.: “algures na Rede”

A memória cujo movimento para adiante nos leva a agir e a viver

“Para abstrair-se da acção presente, é preciso saber dar valor ao inútil, é preciso querer sonhar. Talvez apenas o homem seja capaz de um esforço desse tipo. Também o passado a que remontamos deste modo é escorregadio, sempre a ponto de nos escapar, como se essa memória regressiva fosse contrariada pela outra memória, mais natural, … Continuar a ler

Irreversibilidade e probabilidade

“Por que levou tanto tempo para se chegar à generalização das leis da natureza que incluem irreversibilidade e probabilidade? Uma das razões é ideológica – o desejo de alcançar uma razão quase-divina da nossa descrição da natureza. Mas há também uma razão técnica envolvida, um problema matemático. O nosso trabalho está baseado no progresso recente … Continuar a ler

As mesmas leis de implicação estão subjacentes em todas as línguas do mundo

“(…) o número crescente de leis que descobrimos ressalta o problema das regras universais que fundamentam o sistema fonológico das línguas, pois a pretensa multiplicidade de seus elementos diferenciais é bastante ilusória. As mesmas leis de implicação estão subjacentes em todas as línguas do mundo. Deste modo, o estudo de uma língua não apenas conduz, … Continuar a ler

A capacidade dos antropólogos de nos fazerem levar a sério as suas palavras

«A capacidade dos antropólogos de nos fazerem levar a sério as suas palavras tem menos a ver com a observação factual ou  com um certo ar de elegância conceptual do que com a capacidade de nos convencerem de que o que dizem é o resultado de haverem realmente penetrado (…) em outra forma  de vida, … Continuar a ler

"Novos jogos de linguagem podem modificar a nossa forma de vida"

“Novos jogos de linguagem podem modificar a nossa forma de vida. Cada utilização de um conceito contribui para a sua formação. A multiplicidade de possibilidades de uso das nossas relações como o meio linguístico proporciona a elaboração de uma “linguagem actuante”, que tanto cria algo de novo quanto se deixa, ela própria, provocar pelos dados e … Continuar a ler

A eficiência persuasiva

“A acção da televisão, intervindo no andamento do processo eleitoral, manifesta-se, contemporaneamente, não apenas através de seus noticiários (telejornais) nos quais políticos, partidos e temas são privilegiados ou omitidos, ou dos debates, mesas-redondas e programas similares, com convidados seleccionados segundo os interesses políticos da empresa, mas, igualmente, com a mesma eficiência persuasiva, nos programas de … Continuar a ler

P W Singer sobre robôs militares na guerra do futuro

robôs militares na guerra do futuro

A tradição

“(…) a tomada de consciência contemporânea (antropológica, psicanalítica, etc.) de que a tradição, que se tinha relegado para um passado totalmente acabado, julgando assim expulsá-la, permanece e volta nas presentes práticas e ideologias. O morto contínua assolapado na actualidade, assedia-a e determina-a. Nunca mais se acaba de o matar ou de o exorcizar. Semelhante verificação, … Continuar a ler